Restaurar é, na minha opinião,fazer com que uma peça qualquer ,seja um móvel, uma antiguidade ,ou um objeto de decoração readquira sua aparência original .Porém esta "aparência original" não significa que a peça em questão vá ficar com aspecto de nova,mas de inteira e bem conservada.As marcas que o tempo e o uso deixaram na peça devem ser preservadas para mostrar exatamente sua história dentro do contexto em que foi usada.
Mudar detalhes estéticos, deixa de ser restauração e tira a identidade da peça .

.

Se você precisar de informações ou dicas sobre o assunto ,envie um e-mail ,para que eu possa te orientar. As perguntas feitas na seção"comentários" às vezes se perdem na hora da resposta.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Brocas e cupins ,inimigos da madeira




Este texto foi copiado do site da empresa MONTANA QUÍMICA ,especializada em produtos para tratamento de madeiras .
Acredito que ajude a entender um pouco o que são essas pragas

Os insetos conhecidos popularmente como brocas são besouros que possuem peças bucais do tipo mastigador, com mandíbulas fortes, robustas. Apresentam dois pares de asas, sendo um deles modificado em élitros (asas rígidas que protegem o abdômen do inseto). O segundo par de asas é membranoso e responsável pelo vôo. Quando o inseto está em repouso este par de asas fica dobrado sob os élitros.

As brocas possuem características corporais variadas, podendo ser cilíndricas, delgadas ou alongadas, com antenas curtas ou longas e tamanhos variados (de mm até 20 cm), dependendo da espécie. Geralmente apresentam cores em tonalidades de marrom, pardo, cinza ou preto. Os hábitos alimentares são diferenciados. Normalmente alimentam-se de tecidos vegetais de árvores, gramíneas e herbáceas. Podem alimentar-se também de fungos simbióticos cultivados dentro das galerias abertas na planta hospedeira ou ainda, de sementes.

No período de reprodução, os machos localizam fêmeas aptas ao acasalamento por meio de sensores químicos, os feromônios. Estas substâncias são hormônios sexuais lançados no ambiente pelas fêmeas e têm função de atrair o macho. O casal se une para a realização do acasalamento e, após alguns dias, as fêmeas procuram local mais adequado para colocar os ovos. O tempo de eclosão dos ovos varia de uma espécie para outra. O desenvolvimento completo desses insetos, do ovo ao inseto adulto, ocorre em três etapas. A primeira inicia quando os ovos eclodem e liberam as larvas. Elas irão se alimentar de maneira voraz para acumular energia, visando a segunda etapa, o estágio de pupa. Neste período ocorre uma série de modificações corporais no chamado estágio de latência, pois os indivíduos não se alimentam. Finalizado a metamorfose, das pupas saem os insetos adultos completamente formados.

As brocas podem afetar a área de preservação das madeiras durante o estágio larval, adulto ou em ambas situações, de acordo com cada espécie. Estes insetos são chamados xilófagos, pois se alimentam do lenho da madeira (tecido xilemático) em pelo menos um estágio de seu desenvolvimento.

Das brocas que atacam madeira são conhecidas algumas famílias que causam prejuízos econômicos consideráveis. São as famílias Cerambycidae (cerambicídeos), Scolytidae (escolitídeos), Platypodidae (platipodídeos), Bostrychidae (bostriquídeos), Lyctidae (lictídeos) e Anobiidae (anobídeos).

Cada família possui diferenças quanto à características corporais, alimentares ou à fase xilófaga.

Geralmente os cupins são confundidos com formigas ou brocas; porém, tratam-se de insetos bem diferentes uns dos outros.

As formigas aladas possuem as asas dianteiras mais longas que as traseiras, enquanto os cupins alados, têm dois pares de asas do mesmo tamanho. Daí vem o termo isoptera (iso = igual, ptera = asas). As antenas das formigas são dobradas formando um cotovelo, enquanto nos cupins elas são retas e contínuas. Outra diferença entre eles é que os cupins possuem o corpo uniforme e cintura grossa, enquanto as formigas apresentam uma cintura pronunciada, estreita, estrangulada.

As brocas são besouros compactos, geralmente pequenos, que possuem dois pares de asas, sendo um deles modificado em élitros. Os élitros são asas rígidas que possuem função de proteção do abdômen do inseto e não são utilizadas para o vôo. O segundo par de asas membranosas é o responsável pelo vôo e quando o inseto não está voando, elas ficam protegidas sob os élitros, guardadas como em um estojo, daí o termo coleóptera (coleos = estojo, ptera = asas). Diferentemente dos cupins e formigas, brocas não são insetos sociais, ou seja, vivem solitários no meio ambiente. Porém, algumas vezes podem ser vistos em grupos, pois compartilham o mesmo alimento, mas em geral não vivem de maneira organizada.

O modo mais fácil de diferenciar estes insetos e suas formas de ataque é fazer a observação de algumas características. Confira:

em casos de revoadas, verificar se os pares de asas são iguais. Caso sejam, trata-se de uma espécie de cupim, pois formigas têm os pares de asas de tamanhos diferentes. Brocas são besouros pequeninos, geralmente de cor parda ou preta;
se os insetos não apresentarem asas, deve-se observar as diferenças do abdômen (se tiver cintura estreita, trata-se de formiga; abdômen com cintura grossa e antenas retas e contínuas, é cupim);
se for observada a presença de resíduo de madeira, verificar se o aspecto é granulado ou em pó fino, parecido com talco. Se for granulado, o móvel está sendo colonizado por cupins. Caso seja um pó fino, indica que existem brocas no local;
analisar o móvel, ou madeira atacada, à procura de furos ou galerias. Galerias podem ser detectadas pelo som oco quando são feitas batidas leves por toda a superfície. Os cupins fazem grandes galerias por dentro da madeira, enquanto as brocas fazem furos pequenos, para sua entrada ou saída da peça;
se forem encontrados túneis de barro formando caminhos até a peça atacada, trata-se de uma colonização por cupins de solo.

Insetos que se alimentam de madeira, chamados xilófagos, podem ser combatidos com produtos inseticidas adequados. Quando identificados cupins ou brocas em móveis ou edificações, deve-se acionar profissionais qualificados para resolver este tipo de problema. Esses profissionais irão avaliar a extensão da infestação e dar orientação para a solução mais adequada em cada situação. Mas, a melhor forma de evitar este tipo de problema é utilizar madeiras tratadas ou aplicar, antes do acabamento, preservativos seguros que possuam finalidade inseticida que impeçam a infestação dos mesmos. Prevenção é a melhor atitude.

3 comentários:

  1. Olá Amauri! Obrigada pela gentileza lá no blog, vindo de alguém com tanta experiância como você, fico lisonjeada.
    Gostei da aula sobre as pragas da madeira. Vivo lutando contra elas.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Olá, parabéns pelo excelente blog, vou começar um hobby com madeira e farei algumas peças para minha casa. Gostaria de saber qual é o melhor momento para aplicar o veneno na madeira. e se o veneno altera o acabamento, muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mazelir.
      Só se usa veneno para cupins quando eles estão na madeira ,para matá-los . Não existe produto que previna a invasão dos cupins .Se alguém te falar isso , estará mentindo para te vender um produto que será inútil .É mais ou menos como sair para comer feijoada e tomar sal de frutas antes .

      Excluir

Obrigado por sua atenção .Espero que tenha gostado do blog .Se você precisar de informações , dicas ou orçamento de trabalho,envie um e-mail para : dom.moleiro@gmail.com , que prontamente te responderei .